quarta-feira, 22 de setembro de 2021

Equinócio de Outono

 


Equinócio de Outono é o nome que a Astronomia dá ao fenómeno que assinala o final do Verão e chegada do Outono. O Equinócio de Outono assinala o momento em que o Sol, visto a partir da Terra, cruza o plano do equador celeste, o que se verifica em setembro no hemisfério norte e em março no hemisfério sul.

O Outono é a estação do ano que sucede o verão e antecede o inverno. Nas regiões de clima temperado ou subtropical é caraterizado por queda gradativa na temperatura e pelo amarelar e início da queda das folhas das árvores, que indica a passagem das estações. O Outono do hemisfério norte é o "Outono boreal" enquanto o Outono do hemisfério sul chama-se "Outono austral".

Equinócio significa literalmente “noite igual”. E durante o equinócio, a maioria dos lugares na Terra verá aproximadamente 12 horas de luz do dia e 12 horas de escuridão, em perfeito equilíbrio – escuro e claro, masculino e feminino, interior e exterior.

Este é o dia de ação de graças do paganismo. Data onde os pagãos honram o Deus e a Grande Mãe.

De acordo com a mitologia celta, o equinócio de outono marca o momento em que o Deus Sol entrega seu lugar no horizonte para a Deusa Mãe em um ciclo. Por isso é o momento de fazer a colheita de frutas e de outros alimentos, para deixar a terra descansar.

Neste Outono aproveita para observar a natureza, as cores incomparáveis das folhas que rodopiam no ar antes de cair no chão.

 

“O Outono leva as flores para que elas possam voltar a nascer. É tempo de renascimento!”





quarta-feira, 15 de setembro de 2021

terça-feira, 20 de julho de 2021

 Ao longo do ano que agora termina  o 6.º C participou num projeto promovido pela Fundação Vox Populi. 

O projeto inseriu-se no  concurso "Rato de Biblioteca" e teve como título "Às voltas com a Rota do Românico".

Com o objetivo de conhecer melhor a identidade da zona onde vivem e sabendo que para tal é importante conhecer o seu património histórico e arquitetónico, os alunos decidiram deitar mãos à obra de modo a explorar e valorizar o legado deixados pelos nossos antepassados. Pretendiam também sensibilizar a comunidade para a importância da preservação destes recursos.

O projeto foi desenvolvido com a coordenação das professoras Cláudia Barbosa (História e Geografia de Portugal), Helena Costa( Inglês) e com a Biblioteca Escolar/ Centro de Recursos. Os encarregados de educação foram um apoio importantíssimo e os alunos puderam também contar com o apoio da Rota do Românico, na pessoa da dra. Emília Machado.

No passado dia 15 de julho foi a apresentação nacional dos diferentes trabalhos/projetos  a concurso e foi com muita alegria que vimos o pojeto "Às voltas com a Rota do Românico" ganhar o prémio de Melhor Apresentação/Comunicação. 

Partilhamos convosco a apresentação do projeto e o concurso "Quem quer ser Historiador", atividades inseridas no trabalho desenvolvido. 

Cliquem nos links.

Esperamos que gostem tanto quanto nós. 

Quem quer ser historiador


https://youtu.be/EvasqS7K0VY


Rato de biblioteca


https://youtu.be/I8zZaEcub6k

terça-feira, 6 de julho de 2021



"Este ano, o Plano Nacional de Leitura2027, comemora o Dia Mundial da Língua Portuguesa, com a iniciativa, Eu Conto Podcasts de Contos e Lendas, dirigida aos AE/ENA, Centros Qualifica, Bibliotecas Escolares, Municipais e do Ensino Superior, Associações Culturais e Artísticas e a outras instituições, desafiando os falantes de português dos países de língua oficial portuguesa e de Goa, Damão e Diu residentes em Portugal a criarempodcastsde narração oral (lendas e contos tradicionais), a publicar no portal e nas redes sociais do PNL2027. 

O desafio foi aceite e o resultado ouve-se aqui. 

Entre 26 de abril e 5 de maio, o PNL2027 divulga alguns podcasts".  

Atreve-te a ouvir!

 Uma história por dia, não sabes o bem que te fazia 



A vila das cores de Bruno Magina, Editora Escritório por Marina Deus, mediadora de leitura das BLX



A Família Violeta veio recordar aos habitantes da vila que, com tantas cores existentes no mundo, não há razões para indiferença ou preconceito. Somos todos diferentes e devemos ser livres de viver como mais gostamos. E é de toda esta diversidade que vem a riqueza.
"Já me perguntaram onde fica "A Vila das Cores" ou se "A Vila das Cores" vem no mapa, mas não sei responder. Apenas sei que "A Vila das Cores" nunca mais foi a mesma desde a chegada da Família Violeta. Vem descobrir por que é que este acontecimento deixou alguns moradores da vila com os cabelos em pé..."
(Bruno Magina, autor]
A Vila das Cores aborda, de uma forma simples e divertida, a homossexualidade, homofobia e a diversidade de famílias, desmistificando preconceitos e deixando uma mensagem de tolerância e respeito, tanto a crianças como a pessoas adultas.

  Uma história por dia, não sabes o bem que te fazia!


    Eu, Ming de Clotilde Bernos, é uma narrativa em primeira pessoa onde o narrador, Ming, o avô, dá conta de todo o seu afecto pela neta e também da enorme realização pessoal que sente por ter o privilégio de a acompanhar e partilhar o seu crescimento. A realidade que vive e as rotinas de que são feitos os seus dias parecem ultrapassar o melhor dos sonhos de Ming, cuja felicidade resulta de pequenas cumplicidades.

Ouve a história e diverte-te com a quiz!

Beijinhos literários.🌈🍀

sexta-feira, 2 de julho de 2021

 

Uma história por dia, não sabes o bem que te fazia!




Porque é que os animais não conduzem de Pedro Seromenho.

Faz parte da lista do PNL e ficou em 2.º lugar na primeira edição do Miúdos a Votos.  

 

Ouve e diverte-te!

terça-feira, 29 de junho de 2021

 Uma história por dia, não sabes o bem que te fazia!




Várias personalidades contam histórias para crianças através das redes sociais. Uma dessas pessoas, por exemplo, é o Rodolfo Castro, o autor argentino radicado em Portugal, também conhecido como “o pior contador de histórias do mundo“. 
E se lhe déssemos uma oportunidade?

Ouve e diverte-te muito!

segunda-feira, 21 de junho de 2021

Matilde Rosa Araújo- a poetisa cordial e guerreira que mantinha a infância dentro de si.

 




Matilde Rosa Lopes de Araújo, nome completo para a escritora e pedagoga portuguesa, mais conhecida por Matilde Rosa Araújo.

Nasceu em 1921, em Lisboa, no tempo da ditadura pelo que fez os seus estudos liceais com professores particulares. Licenciou-se em Filologia Românica pela Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa em 1945. Teve ainda cuidada formação musical, frequentando o Curso Superior do Conservatório da capital portuguesa.
Sempre ligada à escrita e ao ensino, foi professora do Ensino Técnico-Profissional durante longos anos, e trabalhou também na formação de professores, nomeadamente na Escola do Magistério Primário de Lisboa e no âmbito da literatura para a infância. Enquanto cidadã, foi muito empenhada na resolução dos problemas da criança na defesa dos seus direitos. Fez parte o IAC – Instituto de Apoio à Criança. Iniciou a sua vida literária ainda durante a estudo universitário e colaborou empenhadamente em várias publicações periódicas ao longo de várias décadas.  O conjunto dos seus livros, quer de poesia, quer narrativa, constitui um dos mais significativos trabalhos de sempre da literatura portuguesa para e sobre a infância e a juventude.

Publicou cerca de três dezenas de títulos entre os quais se destacam, pela sensibilidade relativa à vivência da infância, obras como O Livro da Tila (1957), O Palhaço Verde (1962), História de um Rapaz (1963), O Reino das Sete Pontas (1974), A Velha do Bosque (1983) e, vinte anos mais tarde, As Fadas Verdes e O Chão e a Estrela.
Matilde Rosa Araújo recebeu vários prémios importantes, a saber: o Grande Prémio de Literatura para a Infância da Fundação Calouste Gulbenkian (ex aequo) ;  um prémio para o melhor livro estrangeiro, atribuído a O Palhaço Verde pela Associação Paulista de Críticos de Arte; a distinção da Fundação Calouste Gulbenkian para o melhor livro para a infância publicado no biénio 1994-1995 pelo seu livro de poemas As Fadas Verdes , em 1996
Matilde Rosa Araújo publicou também textos de ficção para adultos e obras que demonstram as suas qualidades de pedagoga. Foi autora de alguns volumes sobre a importância da infância na criação literária para adultos e sobre a importância da literatura infantojuvenil na formação da criança, na educação do sentimento poético como raiz pedagógica de valia.
Foi distinguida, em maio de 2004, com o Prémio Carreira da Sociedade Portuguesa de Autores.

Faleceu a 6 de julho de 2010, aos 89 anos, na sua casa, em Lisboa.



Se quiseres saber mais, podes consultar os links e ler os artigos ou ver o vídeo.

Vai valer a pena!


https://ensina.rtp.pt/artigo/matilde-rosa-araujo/

https://issuu.com/fatimaoliveira92/docs/matilde_rosa_ara__jo_-_vida_e_obra

https://www.noticiasmagazine.pt/2021/cem-anos-de-matilde-rosa-araujo/cronicas/cidadania-impura/264050/




quarta-feira, 16 de junho de 2021

 Uma história por dia, não sabes o bem que te fazia!


A Bruxa Arreganhadentes
de Tina Meroto; Ilustração: Maurizio A. C. Quarello 


Rodolfo Castro, autor argentino radicado em Portugal, também conhecido como “ o pior contador de histórias do mundo “.

E se lhe déssemos uma oportunidade?

Ouve a história e diverte-te!



quarta-feira, 9 de junho de 2021

10 de junho - Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas

 



Sabes porque razão se celebra o dia de Portugal a 10 de Junho?

No dia 10 de Junho celebra-se em Portugal o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas. Um decreto de 1880 declara o dia 10 de junho um "Dia de Festa Nacional e de Grande Gala" para celebrar os 300 anos da morte do grande poeta Luís Vaz de Camões (10 de junho de 1580), autor de “Os Lusíadas”.

Durante o regime do Estado Novo, até à Revolução do 25 de Abril de 1974, o dia 10 de Junho era celebrado como o “Dia da Raça” e foi aproveitado para salientar as características nacionais.

Camões, figura emblemática associada aos Descobrimentos, foi usado como forma de o regime celebrar os territórios coloniais e o sentimento de pertença a uma grande nação espalhada pelo mundo.

O 10 de Junho começou por ser apenas um feriado municipal, em Lisboa.  No Estado Novo, o dia de Camões passou a ser festejado a nível nacional. A partir de 1978 este dia fica designado como Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas. É o dia da Língua Portuguesa e do cidadão nacional.

 Queres saber mais?  Clica no link do gennialy e diverte-te!

https://view.genial.ly/5ed0e2518d3239111963e87e/vertical-infographic-dia-de-portugal-de-camoes-e-das-comunidades-portuguesas

 

terça-feira, 1 de junho de 2021

Ler no Dia da Criança

Hoje, neste dia tão especial, deixamos alguns textos, para que nunca esqueçamos a criança que há em nós. Feliz dia da criança!






                  Dia mundial da Criança

quarta-feira, 26 de maio de 2021


Uma história por dia, não sabes o bem que te fazia!


 Rita de Rachel Chaundler


 Ouve e diverte-te!

terça-feira, 25 de maio de 2021

 Uma História por dia, não sabes o bem que te fazia!



Ouve a história e diverte-te!